sexta-feira, 16 de abril de 2010

Instalações

Em síntese, instalação artística é um gênero artístico que se utiliza de elementos tri-dimensionais dispostos de modo a transformar um determinado espaço e causar dessa maneira uma reação no espectador, como o desafiando a realizar associações complexas, despertar pensamentos, desejos, mudanças de humor, sensações ou simplesmente chamar a atenção. Os objetos são arranjados de várias maneiras, geralmente o autor os coloca fora de seus contextos originais, para destaque e para provocar quem está no ambiente.
Não existem restrições em relação aos materiais que podem ser utilizados, visto que o interesse do autor é no que determinado objeto evoca. Desse modo podemos observar os mais variados tipos de obras de instalação.



Essa incrível obra de instalação foi feita por uma escultora colombiana para a Bienal Internacional de Istambul, em 2003. Ela utilizou mais de 1,550 cadeiras empilhadas em um espaço vazio entre dois edifícios.

O impacto da arte de instalação em cada espectador varia já que, enquanto observa, cada um avalia, faz associações e recorre a lembranças que tenham um significado para sí próprio. Todas as crenças culturais, pensamentos e preconceitos que possuímos são levadas para tais ambientes e nos influenciam a obter o significado da obra. Ou seja, esse gênero artístico dá importância para a inclusão do observador ativo, que tira suas próprias conclusões.
Agora, na opinião de quem vos escreve este texto, alguns casos extrapolam os limites do aceitável, sob o pretexto de transferir a interpretação para o observador o autor faz qualquer ajuntamento de objetos que formam uma zorra. Gostaria de saber a opinião de vocês a respeito disso.



Para parodiar a decadência de uma famosa empresa telefônica inglesa (London Telephone Booths). O infame artista de guerrilha Banksy colocou um machado através de uma cabine.

CARLOS NOGUEIRA

14 comentários:

  1. acho que as vezes os autores exageram nas instalações e nas performances para chocar o público, mas sem ter motivos reais. quando o espectador pergunta "por que fazer isso? para que fazer assim?" ele não sabe responder, pois aquilo não teve significado para ele. é só uma maneira de chamar a atenção.

    ResponderExcluir
  2. Eu acho a maioria das instalações interessantes, pois querendo ou não elas nos fazem pensar, relembrar, fazer associações. Pra mim não é uma forma de arte vaga, e possui objetivos bem especificos que na maioria das vezes são alcançados.

    ResponderExcluir
  3. Acho bastante válido este gênero artístico, pois eles chamam bastante a atenção de quem vê, e quase sempre levam à reflexão, pois instigam a entender o sentido daquilo. Por isso, concordo com quem disse que é preciso ter motivos reais para esse tipo de expressão, já que se este não existe, não é possível entender a intenção de quem produziu e, menos ainda, refletir sobre o que está exposto.

    ResponderExcluir
  4. Também acho essas obras bem válidas, são formas diferentes de expressar uma idéia que chama a atenção do público seja pela sua forma bizarra ou pela inovação do autor.

    ResponderExcluir
  5. Chamar atenção! Se esse é um dos objetivos da instalações, com certeza ele é atingido. Agora daí fazer com que uma pessoa reflita no porquê daquilo, ou a o que aquilo remete já é outra questão. Isso vai depender muito da cultura de quem vê e do tipo de instalação que está exposta. Mas que esse tipo de arte é válido isso é.

    ResponderExcluir
  6. Samantha de Paula18 de abril de 2010 13:28

    O objetivo maior de uma instalação é chamar a atenção, porém isso depende de vários fatores, principalmente sobre o assunto em destaque do qual ela se trata. É um tipo de arte considerado o espelho do seu tempo, por evidenciar a relação do homem com essa arte. Se o objetivo da instalação não é atingido quando você olha para ela, deve ser porque quem sabe você não é bem o publico esperado para entender o que o artista propoe com sua arte.

    ResponderExcluir
  7. A arte ganha relevância quando tem objetivo, foco.
    A primeira imagem não deve ser priorizada em detrimento da segunda.
    A escultura das cadeiras é vaga, permite ao observador imaginar inúmeras coisas e, enfim, interpretar fatos diferentes dos buscados pelo artista.
    Quando à segunda imagem, é objetiva. A arte é utilizada para descrever uma situação, o que permite uma leitura ou releitura do evento apresentado.

    ResponderExcluir
  8. Gostei bastante da segunda ilustração que parodia a crise em uma empresa de telefonia. Isto sim é uma instalação criativa. Porém, a primeira ilustração é uma bagunça. Se aquilo é arte eu sou Van Gogh. Se me deixarem usar as cadeiras da faculdade eu faço algo muito mais bonito e criativo. A instalação tem o seu objetivo de chamar à atenção. Mas, deve-se conter os exageros para não virar piada.

    ResponderExcluir
  9. Andrey, chorei de RIR com seu comentário. Com certeza, a instalação deve chamar a atenção, mas também é preciso que ela tenho um proposto, um objetivo. A segunda instalação apresenta um sentimento de indignação. Chama a atenção e tem foco. Se o objetivo da instalação for realmente só CHAMAR A ATENÇÃO, será dificil dizer o que é arte, ou então qualquer arranjo de cadeiras da FACOMB poderá ser arte.

    ResponderExcluir
  10. Acredito que o maior trunfo das instalações seja reposicionar o valor de um objeto. Mais que "chamar a atenção", trata-se de um modo de representação diferente das funções comuns desempenhadas por determinado objeto. No caso das cadeiras, seu rearranjo constitui uma enorme pilha para aludir, possivelmente, à desordem; sendo assim, a função de suporte para assentar-se é anulada. No caso da cabine, esta personifica a própria empresa telefônica, ultrapassando sua função de abrigo para telefone público.



    Arrisco uma comparação: quando guardamos um objeto para recordação, seu valor se modifica, fazendo-nos lembrar de momentos associados ao mesmo - guardo um embrulho de bombom dobrado em formato de laço, e recorro a ele a cada vontade de me lembrar da pessoa especial que o fez para mim. Assim como um artista atribui certo valor aos objetos de sua instalação e os tornam "lembrados" em sua apresentação ao público - o afeto e a importância que ele dedica aos objetos são recorridos a cada instalação. O espectador pode não entender ou não identificar o novo sentido, ou até mesmo achar o ato medíocre.

    ResponderExcluir
  11. Interessante! Com certeza esse tipo de arte chama a atenção, e acho que mesmo que não tenha um "sentido claro" para quem aprecia, ela é importante, pois muitas vezes é um primeiro passo para aquelas pessoas que não costumam dar valor a arte. Além disso, fogem dos padrões tradicionais, o que as torna tão instigantes.

    ResponderExcluir
  12. Olha, prefiro essa da cabines do que a primeira, das cadeiras, que eu só consegui achar feia. E, sinceramente, não entendi bem qual a reflexão proposta. Como eu, e que fique claro que essa é uma opinião pessoal, costumo chamar de arte o que é bonito, poucas obras desse tipo costumam despertar meu interesse.
    Agora, que essa das cabine foi bastante criativa dentro do contexto, admitamos, isso foi.

    ResponderExcluir
  13. Andrei S. e Silva26 de abril de 2010 17:19

    Sempre que eu vejo um trabalho assim me pergunto: as obras de arte só fazem sentido dentro de um contexto social e cultural? Porque quando olhamos em retrospectiva ao passado conseguimos admirar obras de arte de outras épocas mas ao mesmo tempo sentimos tamanha estranheza quando observamos uma obra contemporânea? No senso comum as pessoas gostam de dizer que os artistas são de algum modo pessoas adiante de seus tempos, visionários.
    Eu acredito que na verdade os artistas tem apenas a sensibilidade de perceber nuances em nossa cultura que são bem estabelecidas, mas que ainda são inapreensíveis a nós que vivemos esses tempos e não conseguimos ter uma visão clara de características marcantes de nossa geração.
    Por isso esse trabalho é tão intrigante, a autora nos diz algo, mas parece que ainda não sabemos ao certo o que, muitas vezes nem ela. Nessa lógica, sentir a obra deve preceder o ato de tentar explicá-la.

    ResponderExcluir
  14. Penso que são apenas um modo de chamar a atenção e não levam a nenhuma reflexão.

    ResponderExcluir