domingo, 2 de maio de 2010

Carnaval e consumo



"No princípio dos tempos, o Carnaval simbolizava o poder de Deus e dos Humanos sobre o Diabo. É daqui que a ideia dos disfarces vem. Este feriado era apenas um feriado religioso para divertimento das pessoas. No entanto, hoje em dia, gastam-se milhares e perdemos todo o espírito Carnavalesco", disse Luís Miguel Côrte-Real na Conferência Anual da Economia das Nações Unidas.

Além da idéia de Luís Miguel sobre gastos com fantasias ou máscaras, nessa época também é notório o aumento da exploração desenfreada do corpo “malhado” e do consumo de álcool e drogas.

A preocupação em trabalhar o corpo para que ele fique “bom” para o verão é vinculada ao cuidado para apresentá-lo “em forma” durante o Carnaval. Principalmente, nessa época em que os desfiles de mulheres quase nuas no Rio de Janeiro e em São Paulo são marcas dessa festa no Brasil. Nesse sentido, podemos destacar ainda a Globeleza, que desde os anos 90, exibe, até mesmo em horário nobre, um corpo nu na emissora de TV aberta de maior audiência do Brasil.

Sempre quando se aproxima o Carnaval muitas marcas de cerveja exibem comerciais relacionando o consumo de seu produto à festa. Como em todo comercial desse tipo, sempre há clima de festa. Parece que a mensagem transmitida é que a diversão está vinculada ao consumo de álcool. Assim, aumenta o consumo exagerado da bebida, que acarreta vários danos, principalmente quando misturada à direção.

No Carnaval há ainda um aumento na oferta de drogas ilícitas. “O LSD e o ecstasy são drogas que não são usadas no dia-a-dia, são usadas para um fim específico, principalmente para festas ou algo que requeira muita energia”, afirma o Coordenador de Repressão de Entorpecente da PF, Paulo Tarso. Na época do Carnaval é possível comprar essas drogas pela Internet, como nesse anúncio encontrado em um site: “VENDO ECSTASY E LSD - PROMOÇÃO CARNAVAL 2010 !!!".

Essa alta exposição do corpo, aliada ao consumo de drogas e bebidas alcoólicas, apresenta um sexo mais fácil, que aumenta a possibilidade de uma gravidez indesejada ou a transmissão de DSTs. Por isso, todos os anos são exibidos comerciais feitos pelo Ministério da Saúde que incentivam o uso da camisinha.

Todo esse texto foi construído com base em notícias encontradas na Internet. Mas será que o Carnaval  no Brasil é mesmo assim?

Postado por Heloane Grecco

9 comentários:

  1. não sou fã de carnaval, não assisto os desfiles e detesto viajar nessa epoca. mas pelo pouco que eu percebo das festas de carnaval, acho que grande parte dessa imagem de que "tudo é possivel, tudo acontece", de que "o que acontece no carnaval nao sai do carnaval", essa imagem é bastante vendida no exterior. os estrangeiros que decidem conhecer o carnaval brasileiro ja esperam chegar no Rio e encontrar mulheres nuas na praia. e ninguem tenta mudar essa imagem porque atrapalha o turismo. entao, se é ou não é realmente assim, nao importa, porque é sempre assim que o carnaval vai ser vendido e mostrado, aqui e no exterior.

    ResponderExcluir
  2. Acho que não se pode generalizar e dizer que toda festa de carnaval no Brasil segue essa idéia. Mas por outra lado, não podemos tapar os olhos e fingir que nada disso acontece. Eu particularmente gosto de carnaval, e acho que é uma época onde nos divertimos bastante, mas sei que tudo deve ser feito com responsabilidade. Se todos agissem assim, buscando uma diversão livre de drogas, bebida e direção, sexo sem camisinha, etc, teríamos um carnaval saudável e feliz para a maioria das pessoas.

    ResponderExcluir
  3. O carnaval não é assim em todo o Brasil, mas em grande parte dele, e isso é fato! Essa época do ano é aguardada com ansiedade por um grande número de pessoas que querem se divertir o máximo possível. O que vai acontecer, o que vai rolar, vai depender da cabeça de cada um. Mas que as festividades de várias partes do país contribuem para que role muito álccol, drogas, nu, etc.,isso contribuem... Basta dar uma passada pelos diversos interiores do país que vamos ter a confirmação de tal fato.

    ResponderExcluir
  4. O melhor carnaval do Brasil é o de Goiânia. O mesmo carro alegórico é usado por todas as escolas!! É uma piada. Quem nunca foi, não perca o ano que vem... Quanto a questão de drogas, sexo e ... não sejamos ingênuos ou hipócritas. Tudo isto rola nas boates, bares - que muitos frequentam - e até mesmo nas festinhas organizadas pelos "intelectuais" da UFG(Calourada, Festa Junina, entre outras). É claro que quando falamos de carnaval as dimensões são bem maiores, mas os ilícitos são os mesmos!!!!

    ResponderExcluir
  5. O Carnaval é uma festividade onde muitas pessoas extravassam e às vezes passam dos limites, construindo está imagem de orgia e promiscuidade no exterior.Entranto, muitas cidades do Brasil vem nos últimos anos tentando resgatar os tradicionais bailes de carnaval com marchinhas e etc, construindo uma festa saúdavel e para toda família.

    ResponderExcluir
  6. Concordo com o Andrey. Essas drogas que dizem ser o 'estrago' do carnaval estão presentes em lugares que frequentamos mesmo em datas que não o carnaval. O acesso pra quem quer é fácil. Mas é claro que estando em uma festa de Carnaval você verá isso com mais facilidade.
    Não gosto de carnaval, particularmente, mas acho que as minhas críticas ficam mais pro lado dos desfiles que são transmitidos e aguardados em casa de família.

    ResponderExcluir
  7. Concordo com Andrey e Gabriela. Sexo fácil, mulheres semi-nuas, tudo isso faz parte do Brasil em qualquer época do ano. O motivo foi citado pela Bárbara: é a imagem que queremos vender. Mas, é claro, gem generalizações.
    Quanto as drogas, a Universidade é um dos maiores pontos de consumo delas, tomemos, por exemplo, a nossa querida Facomb que é carinhosamente apelidada de "Faconha".

    Eu gosto do Carnaval tradicional, com muito samba, marchinhas. Mas hoje é complicado encontrar opções assim. O axé tomou conta. E isso já explica muita coisa. Basta prestar atenção no que pregam as letras das músicas.

    ResponderExcluir
  8. Concordo com o Andrey. As drogas estão presentes, hoje, em qualquer "baladinha" e/ou nas faculdades. O corpo nu da mulher é explorado durante o ano inteiro pela publicidade.

    No carnaval pode acontecer a intensificação dos produtos ilícitos, mas não é o único lugar.

    Então, falar de drogas, DST e mulheres nuas deveriam ser discussões durante o ano inteiro.

    ResponderExcluir
  9. Andrei S. e Silva7 de maio de 2010 12:00

    Realmente drogas, mulheres peladas e um bando de gente caçando um lugar público "aceitável" pra poder se esbaldar, é uma realidade diária em qualquer lugar. Acho que o problema é termos que nos preocupar que exista , data, hora e lugar para nos entregarmos a "festa da carne". Eu adoro ver as mulheres peladas nos desfiles das escolas de samba, e seria um hipócrita se falasse o contrário, afinal eu sou hétero e mulheres semi nuas dançando em carros alegóricos é no mínimo agradável de se ver pra mim.
    Agora eu acho muita sacanagem o que eles fazem com o carnaval no rio transmitido pela globo. Aquele bando de almofadinha e artista que não sabe nem o hino da escola de samba, ficam roubando a cena de muita gente humilde que trabalha o ano todo pra fazer o desfile acontecer, isso sim é um crime.
    Talvez o problema do carnaval seja que ele é só um parêntese durante o ano, ou pelo menos nós o vemos assim. Mas na verdade já tem muita gente vivendo prazeres da carne muito mais intensos todos os dias, e pra elas o carnaval é só um ótimo feriado pra poder aproveitar ainda mais esses prazeres. Querendo ou não, sendo mostrado na Tv ou não, muito cuidado: uma pessoa próxima a você está fazendo uso de drogas(lícitas ou ilícitas),o seu irmãozinho ja viu mais mulher pelada do que você imagina, e a vovó que tanto reclama das mulheres nuas na TV, foi terriiiivel quando era jovem! Fala sério...

    ResponderExcluir